Acadêmico

Reforma na grade curricular de Produção Cultural é discutida desde 2007

Infra

Projeto propõe revitalização do LabVideo

Facom en Scène

Pós-Com comemora 20 anos de excelência no meio acadêmico
 

O que eles vestem

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

A Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia, além de ser o habitat natural de jornalistas e produtores culturais é conhecida pelo estilo marcante de seus estudantes. Diversidade é a palavra-chave que define a FACOM: indies, reggaeiros, alternativos, boho chic e fashionistas. Seja reflexo dos gostos musicais ou simplesmente sua visão de mundo, cada roupa tem intenção de comunicar algo, característica inerente aos faconianos.




Fernanda Sobral, estudante de jornalismo, é um exemplo claro dessa diversidade de estilos e gostos que constroem a Facom. Fernanda define suas referências de moda partindo dos anos 50, passando pelo boho chic e finalizando com uma influência do rock e do punk. “Eu gosto de roupas básicas e com cores neutras, mas sempre dando um toque a mais com alguma tendência”, declara a estudante que tem como inspirações a it girl, Olívia Palermo, e a atriz do seriado Gossip Girl, Blake Lively.

Fernanda e suas cores neutras
                                           
Já Elizabeth, estudante de produção cultural, chama a atenção por onde passa graças a seus cabelos super coloridos e visual descontraído, a exemplo da camiseta com a frase “I love nerd”. Apesar disso, tem uma visão mais simplista do seu estilo e diferente de Fernanda diz não ter referências na hora de se vestir. Para ela, conforto vem sempre em primeiro lugar. “Uso o que estiver confortável. Pode ser saia ou calça, cabelo colorido ou normal, cabelo curto ou longo”, comenta.

Elizabeth e seu cabelo colorido
 

“Não só o meu estilo, mas o de qualquer pessoa, na verdade é feeling. É você olhar e se sentir bem com aquilo que está vestindo”, afirma o estudante de jornalismo, Lucas Albuquerque. Ele nos conta que analisa o conjunto visual da roupa que usa, já que nem sempre acertamos nas combinações das peças. Lucas afirma também que busca referências no street style, do que vê as pessoas usarem nas ruas, e é a partir delas que surgem as ideias para construir seu look.

Lucas em um momento descontraído


Ao ser questionado sobre o seu estilo, o aluno de produção cultural João Carvalho diz não gostar que o classifiquem como alternativo. Brinca e se define como um cafetão moderno. “É aquele cara que está ligado nas tendências de um estilo mais zen, mais despojado”, explica. João diz se inspirar no seu ídolo, o músico Gilberto Gil, na hora de criar os seus looks.

João mostrando sua raiz zen

Seria impossível registrar aqui os mais diversos estilos que podem ser identificados dentro da Facom. Mas, o que realmente salta aos olhos é a maneira como essas diversidades se encontram e dialogam, criando um ambiente de harmonia e aceitação do diferente. O mais legal de tudo isso é que os alunos utilizam essa divergência como uma forma extra de aprendizado. E é essa convivência entre estilos marcantes e muitas vezes indefiníveis que constrói o estilo da própria Facom.



 

                                                              Por Gabriela Cirqueira e Karen Monteiro 

2 aspas:

Marie disse...

Gostei

Ritinha disse...

Ótimo texto!
Facom também é moda...

Postar um comentário