Acadêmico

Reforma na grade curricular de Produção Cultural é discutida desde 2007

Infra

Projeto propõe revitalização do LabVideo

Facom en Scène

Pós-Com comemora 20 anos de excelência no meio acadêmico
 

O porta-voz do rádio na Facom

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Na UFBA, Maurício Tavares é uma referência quando se trata de radialismo.
Com um extenso currículo na área de estudos sobre o rádio, o atual vice-diretor da Faculdade de Comunicação fala do cenário radiofônico na Bahia e sobre os desafios da Rádio Facom, que é coordenada por ele. “A rádio poderia não existir, ela existe por insistência minha”. Confira a entrevista dada por Maurício ao Facom News.


De onde veio o seu interesse por rádio?
Na época em que fiz graduação em Fortaleza, eu estagiei em rádio e TV, quando o estágio era obrigatório. Quando acabei a graduação, fiz cursos de especialização em rádio e teleradiojornalismo. A partir daí, eu comecei a dar aulas de rádio como professor substituto na Universidade Federal da Paraíba e logo depois fui dar aulas em Vitória. Minha ligação é quase toda acadêmica.

Você já trabalhou em quais rádios?
Nunca trabalhei em rádio, eu estagiei na rádio Iracema, em Fortaleza, e na rádio Espírito Santo, em Vitória, além de criar uma rádio na Universidade Federal do Espírito Santo. Fiz muitos cursos na área de rádio, sou mais um pesquisador de rádio do que um radialista.

Quais são os desafios do radiojornalismo na atualidade?
Na verdade, não gosto da expressão radiojornalismo. Eu gosto muito da idéia de áudio, porque com a convergência de mídias, hoje em dia aprender a trabalhar com sons, com áudio, não é só pra trabalhar no rádio convencional. Mas os maiores desafios das emissoras comerciais são o de concorrer com a TV e com a Internet, de se manter sempre atualizada, sempre à frente das outras mídias.

Qual o atrativo que o rádio possui que os outros meios de comunicação não possuem?
O atrativo do rádio é um velho atrativo. O som, as palavras, a voz, eles têm um espécie de fascínio, uma espécie de mobilidade que o uso da imagem ainda não tem. O rádio atrai as pessoas que gostam de trabalhar com a voz, com sons, já que o rádio trabalha com um único sentido, a audição. Além disso, o rádio trabalha muito com a imaginação, é como ler.

Como você classifica o cenário do rádio na Bahia?
Tem melhorado bastante, principalmente com a chegada da Band News, que imprimiu pela primeira vez um jornalismo profissional aqui no mercado. Ao menos nessa parte jornalística melhorou bastante.

A que você atribui as altas audiências de programas populares com conteúdos menos elaborados nas rádios de salvador?
Isso não é um fenômeno só de Salvador, é um fenômeno mundial. No lugar de tentar ampliar o repertório do público, eles focam no que as pessoas gostam, independente de ser certo ou errado. Eles exploram o gosto pelo sensacionalismo, pelas notícias de crime, porque essas pessoas são excluídas dos jornais da classe média, e no rádio popular elas acabam sendo contempladas de alguma forma. Eles refletem de uma maneira bizarra e também aproveitadora o universo que essas pessoas moram. No rádio ou você ouve programas populares que atendem a grandes públicos ou programas de pseudo qualidade que não atendem ninguém. O ideal seria atingir grandes públicos com qualidade, o que é muito difícil de ser conseguido.

Então você acha que é mais uma identificação do público com o conteúdo desses programas?
Sim, claro. Esse programas utilizam certo conhecimento do meio e exploram exatamente as características que pessoas mais criticas considerariam negativas. Mas as pessoas não estão nem um pouco interessadas nisso, estão interessadas em atingir da maneira mais fácil possível o público.

Mais uma manutenção do que já existe.
Sim, um reflexo do que já existe. Não só o reflexo, como uma hipertrofia do que já existe. E o dramático, o exagerado para eles é fundamental.

Você acha que se houvesse uma iniciativa de desenvolver programas mais elaborados para o grande público, isso não existiria?
Muito difícil. Eu acho que não existem programas bem elaborados nem pra classe média. O rádio hoje em dia vive de programas muito pouco elaborados.

No seu ponto de vista, qual a importância de utilizar a Rádio Facom como atividade que aproxima o aluno do mercado?
Eu acho importante que os alunos aqui possam treinar, fazer a rádio como laboratório, já que lá fora vão ter que seguir um modelo. A função da faculdade é ser uma incentivadora dessas novas formas de produzir rádio no mercado.

Qual a importância da Rádio Facom no contexto da Facom?
A Rádio Facom é importante porque os alunos precisam executar de alguma maneira as suas habilidades de falar, de produzir pra rádio. Mas os alunos usam muito pouco isso. A rádio poderia não existir, existe por insistência minha. Poderia existir somente o laboratório de rádio, como existe o de Tv, mas com o funcionamento da rádio os alunos têm a possibilidade de falar para um público que não se resume ao da disciplina.

E quais são as maiores dificuldades enfrentadas pela Rádio Facom?
A maior dificuldade da rádio é que ela vive de voluntários, ela não tem pessoas trabalhando. Agora que temos uma funcionária que trabalha de manhã “emprestado”, mas não possui um técnico permanente. Ela vive da boa vontade dos alunos que não recebem bolsa. A rádio deveria possuir funcionários permanentes pra trabalhar.




 Por Manuella Cardoso

"Pelo menos aqueles que a gente pode chamar de fãs vêem mais novelas com o uso das novas tecnologias"



Maria Carmem Jacob
 
“Eu diria que, como boa parte do público de novela ainda não tem acesso à internet com regularidade, é difícil avaliar, mas pelo que sei até agora ela tem sido facilitadora”, diz a mineira Maria Carmem Jacob, pesquisadora em teledramaturgia e coordenadora do Programa de Pós-graduação em Comunicação e Cultura Contemporânea da UFBA. Com o uso de outras mídias no processo produtivo da televisão brasileira, acirrou-se o debate sobre até que ponto a televisão perderá seu espaço. Questões como essa, além do preconceito quanto ao estudo televisivo na Academia foram discutidas nesta entrevista.

Facom News: O que despertou o seu interesse para começar a estudar acerca da teledramaturgia? Quando você começou a estudar?

Maria Carmem Jacob: Quando eu entrei pra dar aula na Escola de Serviço Social da CRJ, isso no final dos anos 80, queria muito trabalhar em pesquisa e a que estava sendo desenvolvida na época era “A representação da pobreza em telejornais e novelas no Rio de Janeiro”. Quem coordenava era Marilena Jamur. Eu me apresentei à Marilena e ela falou: Você quer coordenar o grupo de pesquisa sobre telenovela? E eu falei: Quero! E aí comecei a trabalhar com esse tema. Até então não era imaginado por mim trabalhar nessa área. E gostei. Porque eu gosto mesmo é de pesquisa, independente do tema com o qual eu esteja trabalhando. E não quer dizer que eu adore novela. Gosto de novela, gosto de televisão, mas poderia trabalhar com outras coisas. Então eu comecei a trabalhar e a estudar teledramaturgia, foi um trabalho de encomenda que na verdade seria trabalhar com pesquisa. Depois eu continuei me interessando, foi o tema do meu Doutorado, e meu tema de trabalho até hoje.
     
FN: Qual a sua opinião sobre a visão que os demais acadêmicos de comunicação possuem sobre a televisão brasileira, mais especificamente no que diz respeito a área na qual você é especializada? Já houve algum tipo de preconceito por parte deles? Se sim,nos conte como foi.
MCJ: Há uma discussão grande sobre o lugar da televisão no reconhecimento dos pesquisadores no campo científico. Tem o livro do Arlindo Machado, escrito no final dos anos 2000, que tematiza bem esse pouco cuidado que se tem na análise da experiência de televisão e às vezes com preconceito. Principalmente com produtos voltados para o grande público, independente de ser ficção ou não. Também tem um texto do Martín-Barbero que fala do mau olhado em relação a televisão. Analisava-se a televisão com uma preocupação muito grande em perceber de que maneira ela poderia ter fins educativos ou de que maneira ela estaria criando dificuldades na formação moral, política e na experiência cultural brasileira ou de qualquer lugar do mundo. Isso mudou hoje em dia. Hoje, esse preconceito é muito menor e há uma preocupação de entender como funciona economicamente o sistema de produção e distribuição televisivo, análise de conteúdo, análise da poética do modo de fazer os programas e, sem dúvida, o Programa de Pós Graduação em Comunicação e Cultura Contemporânea aqui da faculdade favoreceu muito isso.

FN: Você nota grande interesse por parte dos alunos de graduação na matéria que você ministra aqui na UFBA?

MCJ: Desde que estou na Ufba, há 10 anos, têm um conjunto de pessoas que ficam satisfeitas em saber que podem estudar televisão. Eu diria que a aceitação costuma ser muito grande e o interesse tem aumentado. Não só porque existem professores aqui que trabalham com isso, mas cada vez mais as gerações que estão estudando Comunicação foram gerações criadas pela televisão. Ficção e televisão melhoraram muito nos últimos anos, então, tem-se hoje um critério de avaliação positivo dos programas de ficção de televisão. Aumentou também o interesse do campo científico em estudar programas voltados para o grande público, inclusive aqui na Facom onde muitas pessoas são consumidoras de televisão diária e de programas da mais diversas naturezas.

FN: Com o advento da internet, muitas pessoas deixaram de assistir televisão. Alguns radicais dizem que na atualidade, a internet está tomando o lugar antes ocupado por ela. Qual sua a visão a respeito? Com relação às telenovelas, os brasileiros estão deixando de assistí-las por conta da internet ou por algum outro motivo?

MCJ: Quais são as implicações do uso de outras mídias pra audiência de telenovela? Eu diria que é difícil de dizer ainda. O que eu observo é que pelo menos aqueles que a gente pode chamar de fãs, que acompanham, que veem mais de uma vez, participam em sites, blogs, etc, veem mais novelas com o uso das novas tecnologias. Eu diria que como boa parte do público de novela ainda não tem acesso à internet com regularidade é difícil avaliar, mas pelo que eu sei até agora ela tem sido facilitadora. As pessoas podem ver em outros horários, podem ver mais de uma vez e as redes de relações tem ampliado a partir daqueles que se interessam por novelas. Eu acho que tende a aumentar e não a diminuir [o consumo de telenovelas], as pessoas mudam de canal porque não gostavam antes da novela, não é porque gostavam de novelas e com a internet vão deixar de gostar.

FN: Por que as telenovelas estão cada vez mais se inserindo no contexto da realidade?

MCJ: Elas querem corresponder melhor ao desejo do telespectador de poder emocionalmente se sentir ali, naquela história ou tendo informações sobre o mundo que o rodeia. E isso é muito antigo. No início da experiência de teledramaturgia já tínhamos isso, não acontecia na maioria dos programas, mas já tratavam da realidade do espectador da época. Então faz parte um pouco desse tipo de narrativa que se aproxima ao máximo que ela pode de uma realidade emocional, social e cultural do telespectador, como se fosse uma estratégia para garantir a ampliação e a permanência da audiência. E quando eu digo “emocional” e imaginativo, é porque você pode ter uma novela que fale de vampiros, mas ela tem que falar de vampiros para que os jovens e os adultos que estejam assistindo sintam algum tipo de identificação.


FN: A tendência de grandes emissoras em investir em “reality shows” prova que as telenovelas não estão dando conta da audiência?

MCJ: Existe uma tendência de grandes emissoras de investir em “reality shows” ? Não sei responder exatamente essa pergunta. Será que as telenovelas não estão dando conta dessa audiência? Também não sei. Houve uma tendência de diversificação dos programas de televisão. E os “reality shows” apareceram e estão atraindo um grande número de espectadores, mas eu não associaria uma coisa a outra. As novelas e os “reality” se associam, inclusive há um estilo de trazer a realidade pra novela, que cada vez mais têm sido desenvolvido, que mostra que o telespectador em geral gosta de ver sua vida na televisão.


Por Gabriela Cirqueira, Jéssica Sousa, Joana Oliveira e Thuanne Silva

Multifuncional

“Nossa, estou me sentindo em uma coletiva de imprensa!”, brinca Sivaldo Pereira, 36 anos, ao se ver rodeado  por alunas com gravadores em punho.
Sivaldo Pereira

O jornalista apaixonado pela profissão, fala com bom humor de sua carreira e vida pessoal e revela outras aptidões: adorador da boa música, ele compõe e toca instrumentos como violão, violino, gaita e acordeão. 

O terceiro de seis filhos de retirantes nordestinos, nasceu no sertão de Alagoas, em Dois Riachos. “Terra da Marta, jogadora de futebol”, como faz questão de ressaltar.
Fugindo da seca, quando Sivaldo tinha apenas 6 meses de idade, a família mudou-se para Brasília e Minas Gerais, onde ele cresceu. Somente aos 13 conheceu o Nordeste, quando retornou a Alagoas, onde se formou, posteriormente, pela Universidade Federal de lá.

            Interessado em escrever e ter uma “ação sobre o mundo”, viu o Jornalismo como uma forma de ajudar a construir a realidade. Escolheu a FACOM pela oportunidade de trabalhar com teses políticas ao lado de nomes como André Lemos, Wilson Gomes e Marcos Palácios. “Gosto daqui. É um ambiente onde as pessoas são comprometidas com a ciência e com o ensino”.

            Sempre agitado (prova disso são as palavras que quase se atropelam ao sair de sua boca), já fez de quase tudo na profissão: trabalhou em redações de jornalismo impresso, assessoria de imprensa, jornalismo online e atua até hoje como freelancer para revistas. Seguindo a orientação dos pais, sempre muito preocupados com a educação, Sivaldo esforçou-se por ser “alguém na vida”. Fez doutorado na Universidade de Washington, em Seattle, nos Estados Unidos, e afirma ter gostado da experiência na cidade cinza, valorizando a oportunidade de sair de seu círculo cultural e acadêmico.

            Atualmente, dedica mais sua energia à Academia, tendo interesse nas áreas de convergências midiáticas e tecnologia, mas não consegue, nem quer dissociar-se do mercado. Acredita serem atividades integradas. No entanto, reconhece as dificuldades da profissão e não hesita em afirmar que a maior dificuldade do Jornalismo atual é a de reinventar-se. Ressalta ainda prejuízos pessoais, como na saúde e nos relacionamentos: “É muito difícil lidar com jornalista”.

            Quanto à questão financeira, defende a possibilidade de uma vida razoável, proporcionada pela carreira. Mais que isso, segundo ele, só vendendo a alma às grandes empresas de comunicação. “Se a ideia é acumular seu primeiro milhão, essa área não é a saída”, diz em meio a risos.

            Mas, apesar do pesares, Sivaldo se diz realizado no que define não como uma profissão, mas como um modo de vida, “uma forma de encarar o mundo”. E essa realização estende-se também ao lado pessoal. Não tem problemas, por exemplo, ao falar da idade. “Acho que temos que viver o tempo, cada idade é boa de viver. Eu não tenho nenhuma saudade dos 18 anos”, e rindo, exibe alguns fios brancos. Ainda em tom descontraído, fala de seu estado civil. Entre seus irmãos, ele é o único solteiro e sem filhos. “Sou mais esperto”, brinca.

            Multifuncional, o jornalista, professor, compositor e músico nas horas vagas, muda-se em breve para um apartamento à beira-mar (única exigência feita para consigo mesmo) em Maceió, onde desenvolverá novos projetos, como a fundação de um mestrado e doutorado na UFAL.

            No entanto, graças aos bons amigos e para não sofrer da abstinência de acarajé, que adora, promete manter o vínculo com a Bahia e com a FACOM, especialmente. “Sou um pouquinho baiano, de algum modo”.

Por Joana Oliveira

Doutoranda do Pós Com ganha prêmio da SBPJor

Debora Lopez Freire
Desde outubro, de 2010, o Pós-Com ganhou mais um motivo para se orgulhar e manter o nível de excelência como programa referencial na área. A tese da professora Debora Lopez Freire, obtida em 2009 e que delineia uma nova concepção no radiojornalismo, no Programa de Pós Graduação da UFBA, recebeu o primeiro lugar no prêmio Adelmo Genro Filho de Pesquisa em Jornalismo, na categoria doutorado. Dentre as quatro teses participantes, a de Debora, intitulada Radiojornalismo hipermidiático: tendências e perspectivas do jornalismo de rádio all news brasileiro em um contexto de convergência tecnológica, foi considerada a melhor.
Criado numa iniciativa da SBPJor (Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo) em 2004, o Prêmio Adelmo Genro Filho de Pesquisa em Jornalismo tem como principal missão promover o reconhecimento dos trabalhos acadêmicos realizados nas universidades, buscando, principalmente, enaltecer as performances individuais.
Em sua quinta edição, o prêmio é o mais prestigiado em pesquisa em jornalismo no Brasil. Segundo Rogério Christofolleti, integrante do Conselho Científico da SBPJor e um dos organizadores da premiação, este ano houve um novo recorde de inscritos, com os trabalhos oriundos de 19 estados brasileiros, além de Portugal. Foram 49 inscrições, nas categorias Iniciação Científica, Mestrado e Doutorado. Para Christofoletti, os premiados representam o que houve de melhor na pesquisa em jornalismo no país.É uma honra para a SBPJor poder destacar esses pesquisadores sérios, rigorosos, criativos e inteligentes”, complementa.
Debora Lopez Freire, atualmente professora adjunta da UFSM (RS), conta que a tese surgiu de um interesse casado entre os estudos de tecnologia e de rádio. “Desta forma, ela [a tese] busca observar quais as mudanças que o processo de convergência e tecnologização das redações de rádio e da sociedade trazem ao jornalismo radiofônico”, sintetiza. Em sua tese, Lopez apresenta o conceito de rádio hipermidiático, colocando-o num ambiente convergente, que abrange uma narrativa multimídia e um profissional multitarefa. “É um grande desafio para os profissionais e para o mercado de rádio, acredito que um dos maiores da história do veículo”, reflete.

DESDOBRAMENTOS

Como conseqüências diretas de sua tese, Debora já aponta dois projetos. O primeiro atende por ser uma pesquisa que mapeia e analisa a produção das rádios de Porto Alegre e região metropolitana, buscando identificar as iniciativas de adequação a esse novo ambiente de convergência. “O projeto é financiado pela Capes e tem duração de dois anos e atualmente estamos com cerca de 40% dele desenvolvido”, assinala. O segundo projeto, desenvolvido em conjunto com a professora María Del Pilar Martínez-Costa, da Universidad de  Navarra, na Espanha, pretende fazer um comparativo da inserção no processo de convergência de emissoras de rádio informativas brasileiras e espanholas. 
Debora garante que a Facom marcou seu trabalho como pesquisadora e professora.  “Saí da Bahia com uma identidade e um direcionamento de pesquisa moldados pelo GJOL e pelo POSCOM, e tenho muito orgulho disso”, garante. Cafés na tia Del, discussões metodológicas com Carmem e aulas de Wilson Gomes são algumas de suas lembranças do tempo que passou na Bahia. “Tenho muito orgulho de ser faconiana – ainda que seja só no doutorado. Posso dizer que na Facom me sinto em casa”, endossa.

Por Thais Borges

Segunda Edição do Facom News saindo do forno!

Depois de muito esforço, está pronta a segunda edição do Facom News. Confira em primeira mão, aqui!

Nova ACC na Facom fará vídeos pelo Recôncavo

terça-feira, 7 de dezembro de 2010


Baianas participando da Festa do Bembé do Mercado, em Santo Amaro.
Foto de Carlos Roberto Chaves Faria, disponível aqui

 Em 2011, os estudantes da Facom vão poder participar de uma nova Atividade Curricular em Comunidade. Intitulada Memória social: audiovisual e identidades, a disciplina do professor José Severino busca capacitar os alunos para trabalhos em comunidade, na perspectiva da memória. As visitas a campo serão a quatro cidades do Recôncavo Baiano: Cachoeira, São Félix, Santo Amaro e Santiago do Iguape.
 “Vamos trabalhar com entrevistas e os alunos serão capacitados a criar produtos a partir disso, podendo ser um documentário ou uma página na web”, conta o professor José Severino. A disciplina será dividida em duas fases: a fase de capacitação, na Facom e as saídas em campo, quando os alunos vão entrar em contato com quatro escolas das comunidades escolhidas. “A idéia é criar links de memória de cada uma dessas escolas, registrados pelos próprios alunos e, assim, conectar a escola com as tecnologias de memória que criam laços familiares”, explica.
 A disciplina está aberta aos alunos das três formações da Facom (Produção Cultura, Jornalismo e Cinema) e para estudantes dos cursos de Ciências Sociais, História, Museologia e Licenciaturas. São 12 vagas, além do bolsista, todas escolhidas por meio de entrevista. “É uma entrevista para saber o que o aluno espera do curso, não é uma prova”, tranquiliza Severino, embora haja preferência por estudantes com habilidade em edição audiovisual.
Estão previstas três visitas no primeiro semestre, nos meses de abril, maio e junho, apesar de uma intensificação das visitas em favor da demanda ser possível.

Para saber mais sobre as ACCs e como funcionam, viste a página criada pela UFBa.

Por Thais Borges

Nova edição do Facom News: confira o que vai rolar

 Já chegamos ao fim do semestre e a redação do Facom News se prepara para o lançamento de mais uma edição. O trabalho foi árduo, mas entre mortos e feridos salvaram-se notícias quantíssimas sobre tudo o que rola na Faculdade de Comunicação da UFBa. Dentro de algumas horas você vai poder saber mais sobre a revitalização do LabVideo, a reforma na grade curricular de Produção Cultural, a nova edição do JF, os cursos de fotografia do LabFoto e muito mais!
 Nessa edição o boletim também conta com duas novas sessões: um perfil com o professor Edson Dalmonte e uma entrevista com a professora Malu Fontes, sobre jornalismo popular.
 Portanto, fique de olho! Assim que terminarem os toques finais da edição o Blog Facom News divulga o link da edição número 2. Não perca!

Nota Acadêmico: Professoras vão à Espanha em missão de pesquisa

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

As professoras da Facom, Graciela Natansohn e Suzana Barbosa, foram à Espanha em missão de pesquisa, pelo convênio de colaboração entre Brasil e Espanha para o estudo de cibermeios (CAPES/DGU 2007-2011), que envolve missões de pesquisa de professores neste âmbito e concede bolsas de estudo em nível de doutorado e pós-doutorado. Por meio deste convênio já foi lançado um livro e outros dois estão previstos para 2011.


Confira, em breve, a matéria completa no Facom News!

Por Luana Velloso

O que eles vestem

A Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia, além de ser o habitat natural de jornalistas e produtores culturais é conhecida pelo estilo marcante de seus estudantes. Diversidade é a palavra-chave que define a FACOM: indies, reggaeiros, alternativos, boho chic e fashionistas. Seja reflexo dos gostos musicais ou simplesmente sua visão de mundo, cada roupa tem intenção de comunicar algo, característica inerente aos faconianos.




Fernanda Sobral, estudante de jornalismo, é um exemplo claro dessa diversidade de estilos e gostos que constroem a Facom. Fernanda define suas referências de moda partindo dos anos 50, passando pelo boho chic e finalizando com uma influência do rock e do punk. “Eu gosto de roupas básicas e com cores neutras, mas sempre dando um toque a mais com alguma tendência”, declara a estudante que tem como inspirações a it girl, Olívia Palermo, e a atriz do seriado Gossip Girl, Blake Lively.

Fernanda e suas cores neutras
                                           
Já Elizabeth, estudante de produção cultural, chama a atenção por onde passa graças a seus cabelos super coloridos e visual descontraído, a exemplo da camiseta com a frase “I love nerd”. Apesar disso, tem uma visão mais simplista do seu estilo e diferente de Fernanda diz não ter referências na hora de se vestir. Para ela, conforto vem sempre em primeiro lugar. “Uso o que estiver confortável. Pode ser saia ou calça, cabelo colorido ou normal, cabelo curto ou longo”, comenta.

Elizabeth e seu cabelo colorido
 

“Não só o meu estilo, mas o de qualquer pessoa, na verdade é feeling. É você olhar e se sentir bem com aquilo que está vestindo”, afirma o estudante de jornalismo, Lucas Albuquerque. Ele nos conta que analisa o conjunto visual da roupa que usa, já que nem sempre acertamos nas combinações das peças. Lucas afirma também que busca referências no street style, do que vê as pessoas usarem nas ruas, e é a partir delas que surgem as ideias para construir seu look.

Lucas em um momento descontraído


Ao ser questionado sobre o seu estilo, o aluno de produção cultural João Carvalho diz não gostar que o classifiquem como alternativo. Brinca e se define como um cafetão moderno. “É aquele cara que está ligado nas tendências de um estilo mais zen, mais despojado”, explica. João diz se inspirar no seu ídolo, o músico Gilberto Gil, na hora de criar os seus looks.

João mostrando sua raiz zen

Seria impossível registrar aqui os mais diversos estilos que podem ser identificados dentro da Facom. Mas, o que realmente salta aos olhos é a maneira como essas diversidades se encontram e dialogam, criando um ambiente de harmonia e aceitação do diferente. O mais legal de tudo isso é que os alunos utilizam essa divergência como uma forma extra de aprendizado. E é essa convivência entre estilos marcantes e muitas vezes indefiníveis que constrói o estilo da própria Facom.



 

                                                              Por Gabriela Cirqueira e Karen Monteiro 

Clima de despedidas

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Final de semestre é sempre um momento de despedida. Alunos que se formam, trabalhos que se encerram, turmas que se separam. Neste semestre a Facom se despede da professora Nadja Miranda e com isso podem ter fim as publicações do BIFE (Boletim Informativo da Facom via E-mail). A última edição sob responsabilidade da docente foi publicada no último dia 24.

O BIFE é uma publicação obrigatória da disciplina Oficina de Assessoria de Impressa ministrada pela professora. Segundo ela eram feitas duas publicações por semestre a depender do envolvimento da turma. Seu propósito era divulgar ações da direção da Facom e exercitar a turma. As edições, que contavam com projeto gráfico de Robson Carneiro, eram enviadas por e-mail para professores, estudantes, técnicos da faculdade e a quem mais interessasse. Ao todo 5 turmas participaram deste projeto, que funcionava desde 2008.2. Com a aposentadoria da professor, fica a cargo do novo docente continuar ou não este trabalho.

Segundo a secretária do departamento, Aline Luisa Santos, a professora ainda não deu entrada no processo. “Enquanto ela não dar entrada no processo continua sendo escalada normalmente”, afirmou Aline. Além da professora Nadja também se afastam da Facom a professora Heloísa Gerbasi Sampaio, que já fez pedido de aposentadoria e o professor Sivaldo Pereira da Silva recentemente aprovado no concurso da Universidade Federal de Alagoas (UFAL).

Última edição do BIFE

                                                                                                                 
                                                                                                                    Texto por Ailton Sena

Bastidores, novidades e despedidas

Redação a todo vapor!
Final de semestre é sempre uma correria. Bate aquela preocupação com avaliações, trabalhos para entregar, seminários... Todos ficam repletos de atividades para realizar e não é diferente com os alunos da redação do Facom News.
Nessa segunda e última edição houve uma maior cautela com os prazos. Todos os repórteres saíram em busca de informações para apurar e construir suas matérias a tempo. Os editores, por sua vez, fizeram as devidas alterações no que foi preciso, os pauteiros correram atrás de pautas relevantes e os editores-chefe auxiliaram nas edições de cada editorias. As funções e os cargos estão sendo exercitas com empenho por parte dos alunos para que nessa edição tudo dê certo. O clima é de empolgação e ansiedade.
Muitas novidades estão por vir não só no boletim mas também aqui no blog. Faremos a publicação de um perfil e uma entrevista ping-pong com personalidades faconianas no boletim. No blog, além das seções “O que eles pensam sobre” e “Conversa de quinta”, já existentes, estréia a seção “O que eles vestem” dedicada a revelar os mais autênticos e diversos looks dos estudantes da Facom. 


Repórteres, editores e pauteiros com as mãos na massa
   
Fiquem ligados! A última edição produzida pela turma 2010.2 estará disponível online a partir do dia 2 de dezembro, essa quinta-feira. Os últimos ajustes estão sendo realizados nessa terça-feira. Vocês poderão conferir um material rico em informação acadêmica e cultural produzido pela Facom e para a Facom. 


                                                     

Texto e fotos por Thuanne Silva e Ailton Sena
 


Confiram as fotos dos bastidores:

 

O que eles pensam sobre: ENEM 2010

quinta-feira, 18 de novembro de 2010


  Essa quinta o Blog Facom News estréia mais uma seção. "O que eles pensam sobre" já existe no boletim, mas agora você pode acompanhar o ponto de vista da população faconiana semanalmente e em vídeo.
 Como já especificamos no post anterior, o tema de hoje é o ENEM. Curiosos que somos, procuramos a estudante do BI de humanidades Thalita Fontoura, que pega disciplinas na Facom. Para relembrar, a seleção para ingresso nos BIs é feito pelo ENEM. Portanto, Thalita está mais do que por dentro das expectativas, dúvidas e decepções de quem depende do exame para entrar na faculdade.
                
                            video

Não sabe do que Thalita está falando? Confere aqui:

Para se informar mais (ou não), visite o site oficial do exame.

Gostou? Acha que não é nada disso? Não se importa porque já entrou na faculdade? Deixa um comentário!

Por Thaís Borges e Flávia Faria

Conversa de Quinta: Deu tudo errado no ENEM!!

 Hoje o Blog Facom News vai fazer uma dobradinha: a já tradicional "Conversa de Quinta" e a seção estreante "O que eles pensam sobre" (confira no próximo post) vão tratar de um tema que vem esquentando a cabeça de muita gente pelo país: o ENEM.


 A proposta do ENEM é revolucionária. Ou, pelo menos, seria. Uma única prova que unisse alunos de todas as partes do Brasil e que possibilitasse aos vestibulandos concorrer a vagas de universidades distantes de sua residência sem uma custosa viagem. Desde o início, contudo, foram vários os problemas. Universidades que se recusavam a aderi-lo, uma realização imposta sem um período maior de transição ou adaptação, até problemas de segurança que culminaram no mítico roubo das provas na gráfica Plural, em 2009. Mudanças no discurso dos organizadores (inicialmente, o aluno poderia inscrever-se em cinco universidades, depois o número passou para três, e, finalmente, o número passou para uma mísera inscrição), erros no gabarito oficial, buscavam justificativa na falta de experiência do exame. Era o primeiro, afinal.
Disponível em: http://steniourbano.wordpress.com
 Em 2010, contudo, os problemas continuaram. Antes mesmo do exame anual (mais uma mudança de discurso, já que supostamente o ENEM passaria a ser realizado duas vezes no ano) acontecer, um falha no site do Inep divulgou dados de segurança dos participantes das três últimas provas (até então, 2007, 2008 e 2009). Ainda criou-se muita polêmica quando declarado que os alunos não poderiam usar lápis ou borracha, acessórios tão básicos no colégio para os alunos quanto o giz ou o pincel atômico do professor. Para fechar com chave de ouro, gabaritos invertidos (criando real confusão para os alunos) e erros em provas amarelas. O ENEM continua dando mostras de que o que começa mal (nesse caso, muito mal), raramente terminará bem.
 O Blog Facom News foi conversar com Rafael Barreto e Thaís Santana, do 2º semestre de jornalismo. Ambos fizeram o ENEM de 2008, na versão antiga, e o de 2009. Acompanharam, portanto, toda as dúvidas sobre a mudança do formato da prova, o adiamento por motivo de fraude e toda a confusão e expectativa que passa pela cabeça de um bom vestibulando.


Blog Facom News: O ENEM provou que o que começa mal termina mal?

Thaís Santana: Pelo que aconteceu ano passado deu pra perceber que eles [o INEP] começaram com uma organização terrível, as pessoas não entendiam a nova forma do ENEM, os alunos não sabiam como seria a substituição do vestibular, algumas faculdades adotaram, outras não. Por último, a questão das gráficas veio provar que o que começa mal termina mal.

Rafael Barreto: Eu não acho que tudo que comece mal termine mal. Se as coisas fossem bem organizadas, poderiam até começar mal, mas terminar bem. Não foi o caso do ENEM.

BFN: Para vocês, qual foi o PIOR erro do ENEM? Qual foi o maior disparate do exame?

TS: Eles não têm cuidado. É o segundo ano que ocorrem erros super graves. Não houve preocupação em analisar que ocorreram erros ano passado e que erros poderiam ser repetidos.
RB: Faltou esclarecimento, aproximação com o estudante. Mas o pior erro foi o da gráfica.

BFN: Especulava-se que o Fernando Haddad (ministro da Educação), tenha defendido tanto a realização do ENEM de maneira tão arbitrária porque planejava candidatar-se ao  governo de São Paulo. Assim, ficaria conhecido como “o homem que acabou com o vestibular”. O vestibular seria o monstro dos alunos. Um ano depois, Haddad não se candidatou a governador e ainda herdou milhares de pepinos para resolver gerados por seu próprio monstro gigante. Fica um questionamento:  até que ponto o vestibular é eficaz? E o ENEM? Porque tanto medo por parte dos estudantes?
Thaís e Rafael

TS: Acredito que a questão do medo tenha vindo da própria desorganização. Houve uma mudança de formato um ano para o outro de forma drástica e sem grandes esclarecimentos e ocorreram todos esses problemas. 
RB: Qualquer avaliação de um ou dois dias não é eficaz, mas não vejo outra saída.

TS: Não que não possa haver, mas até agora não conhecemos.  É realmente complicado avaliar em dois dias um aluno que teve uma vida escolar muito grande.

BFN: A prova do vestibular da UFBA é tida com uma das mais contextualizadas entre os vestibulares das grandes universidades. Inclusive, paulistas e sulistas já chegaram a comentar que a prova da Ufba é um martírio, a morte – ou seja, é uma prova de alto nível. Se o ENEM precisa tanto de contextualizações (supostamente, menos “decoreba”),  e, ainda assim, precisa ter um nível satisfatório (para que grandes universidades, como  USP e a Unicamp possam, um dia, cogitar usá-lo), não seria simplesmente mais fácil transformar a prova da UFBA no ENEM?

TS:  É uma prova de alto nível, mas é um martírio. É uma prova grande. São cinco alternativas (ou seis, ou sete!) para decidir se são verdadeiras ou falsas, mas se você errar uma já perde 50% da nota da questão. Não acho uma boa forma de avaliar um aluno. Mas há vários vestibulares pelo país, não conheço todos, mas acho que podem ser analisados para o ENEM adotar algumas estratégias que eles utilizam.

RB: Concordo com tudo que Thaís falou. A Ufba é um martírio! Não acho que seja o melhor para avaliar os alunos.

O "Conversa de Quinta" fica por aqui. Confiram o quadro novamente na semana que vem! =)

Por Thais Borges, Flávia Faria e Thuanne Silva

Estudantes e Professores debatem mudança na grade curricular do curso de produção Cultural


 No último dia 11, quinta-feira, no auditório da Faculdade de Comunicação, houve o debate entre alunos e professores sobre o tema da mudança curricular do curso de Produção Cultural. O encontro foi organizado pelo Centro Acadêmico e teve a participação de Giovandro Ferreira, diretor da Facom, Maurício Tavares, vice-diretor, e dos professores Sérgio Sobreira e José Severino, além dos estudantes interessados.

Foto por Val Benvindo
O debate começou com Giovandro Ferreira explicando aos alunos que a ideia de mudar a grade curricular surgiu após o Instituto de Humanidades, Artes & Ciências Professor Milton Santos (IHAC) procurar a Facom. A finalidade da aproximação foi a criação da área de concentração em Políticas Culturais para os alunos do BI. Dessa forma, surgiu a necessidade de se modificar o   foco em Produção Cultural, para que não haja dois cursos com o mesmo objetivo.

O esclarecimento das mudanças que irão ocorrer na grade curricular foi feito pelo Prof. Maurício Tavares. Ele listou as disciplinas que, segundo a reforma, entrariam na grade curricular, sendo a maioria oficinas. Ele também alertou para a falta de professores específicos para o curso de produção e deixou clara a vontade de criar mais vagas.

Em seguida os professores Sérgio Sobreira e José Severino explicaram qual seria o objetivo de cada matéria e como elas colaborariam para a formação profissional dos estudantes. Após a explanação houve o debate com os estudantes. Nesta parte, surgiram sugestões como a separação da matéria Oficina de Audiovisual em duas, mudanças na ordem das novas matérias obrigatórias e integração nos trabalhos entre estudantes de Jornalismo e Produção Cultural. Também foi criticado o excesso de teoria na matéria, supostamente prática, Oficina de Gestão Cultural.

A necessidade da mudança da grade foi apontada no debate como fator essencial para a identidade do curso, já que haverá a criação da área de concentração em Políticas Culturais. O projeto atual de mudança é um aprofundamento na reforma do fluxograma de 2007, que não chegou a ser aprovado. Ainda há necessidade de mais encontros e ações para concluir as mudanças propostas. A matéria na íntegra pode ser visualizada na próxima edição do boletim Facom News.

Por Marcelo Argôlo e Thais Motta

No ar, Facom News, após mais de quinze horas seguidas de produção!

sábado, 6 de novembro de 2010


Como dito no post anterior, qualquer pessoa com acesso à internet já pode conferir a primeira edição do Facom News comandada pela turma de Jornalismo 2010.2. Lançado às 23h30 min de quinta-feira (04/11), o boletim foi resultado de uma grande mobilização dos alunos e de sua orientadora, Lia Seixas.
As editorias foram cuidadosamente orquestradas e as matérias foram redigidas sob uma ótica plural e nem um pouco maçante (acredite!). De uma maneira geral, pode-se dizer que quase todas as matérias tiveram muitos consideráveis alguns imprevistos – portanto, é gratificante ver como os repórteres conseguiram contornar a situação.
A editoria Facom en scène traz detalhes da expectativa em torno do lançamento da última edição da revista Fraude, assim como torna pública a participação de alunos da Faculdade de Comunicação no memorável Festival Internacional de Artes Cênicas da Bahia. A editoria Acadêmico detalha o comentado Ciclos de Jornalismo (famoso pela participação do “Paulo Massa!”) e o curso do professor Eduardo Camilo, da Universidade da Beira Interior, de Portugal. As seções Infra e Produção ainda destrincham assuntos como o mitológico elevador do prédio e a baixa procura dos alunos ingressantes nas instâncias da faculdade pela Rádio Facom. E, para descontrair, confira também as seções O que eles pensam sobre e Twittadas =).
A nova proposta da Oficina de Comunicação Escrita é irreverente e inovadora. E, principalmente, desafia o leitor. Questione, exclame, discuta você também.
Para conferir o Facom News, é por aqui :)

Enquanto isso, na sala 08...

sexta-feira, 5 de novembro de 2010


                 Dia de fechamento é estressante. Ou, pelo menos, é isso que as pessoas sempre dizem – e, agora, os alunos de Jornalismo da UFBA, da turma 2010.2, vão poder dizer isso também. Afinal, acho que é incontestável que o estresse de um passa para o outro, e para o outro, e para o outro, e um ciclo eterno é iniciado.

A chefe de reportagem da seção Acadêmico, Fabiana Guia, descansa em sua mesa.

Na sala, três estudantes estão deitadas de cabeça em suas mesas. Outra estudante entra na sala, bocejando. A professora, sempre tão dinâmica que parece ter engolido uma pilha (é a única explicação para tanta energia), agora surge com os olhos visivelmente sonolentos. Outros alunos tentam terminar seus afazeres, embora não pareçam ter muito ânimo. Uns estão na espera (precisam do consentimento da orientadora ou da conclusão de algum outro colega), enquanto outros correm contra o tempo – apesar de alguns correrem em slow motion.                           
                Claro, todos já imaginavam que o Facom News seria cansativo. Mas depois de quase três semanas (se for para contar desde o processo de criação do layout, embora a idealização tenha vindo muito antes disso), difícil seria prever que meus colegas de redação (!) estariam tão acabados. Talvez eu esteja exagerando, hahaha ;P. Mas talvez não. 

 Não acho que o cansaço seja um problema, ainda assim. Todos parecem crianças felizes quando pensam em ver seus trabalhos sendo expostos e avaliados e criticados e amados e ridicularizados e idolatrados.
                O blog não foi tão afetado pela correria, é verdade. Dizer que não foi tão afetado não significa não tenha sido. Eu ainda consigo lembrar de uma voz feminina falando afetuosamente, sem nenhuma pressão, algo como “Meninas! O blog precisa estar no ar até onze e meia!”. O blog já estava no ar, claro. Mas nós entendemos perfeitamente que ela se referia ao blog em definitivo, apresentável e, principalmente, utilizável.
Uma de minhas colegas, Cláudia Guimarães, estava particularmente nervosa. Percebi quando ela passou por mim, distraída e um tanto inquieta. “Eu tinha uma pauta sobre um curso que começou ontem (dia 04), na Facom (O Telejornalismo na Bahia: as transformações nos 50 anos da TV Itapoan). Por um erro de comunicação, não recebi um material que Lia havia mandado sobre o curso, e acabei ficando sem base para realizar a matéria”, explicou Cláudia. Lia Seixas, entretanto, disse que a pauta anterior deveria ser mantida. “Tive que escrever a matéria sobre o curso em cima da hora, mas Lia me deu o direcionamento para escrever a matéria” contou.
De pé, um dos editores-chefe, Victor Pinto, e a orientadora, Lia Seixas
 - nas palavras de Victor, a "patroa"

               Um dos diagramadores coçava a testa, enquanto conversava com um editor. Muito trabalho, coleguinhas. Muito trabalho. Quando comecei a escrever este texto, não achei que tudo fosse acabar com alguns de meus colegas, na companhia de Lia Seixas – claro –, saindo da Facom quase à meia-noite. Tudo isso para cumprir o prazo do Facom News – que, enfim, conseguiu ser lançado no dia 04 de novembro.
Fico por aqui, mas, para os colegas, digo que tudo só tende a piorar.  Talvez, no próximo, as pessoas desistam do fechamento para tentar lembrar o que a palavra "dormir" significa. Mentira (ou talvez não)! O Facom News  que está por vir (sim, até onde eu sei haverá pelo menos mais um até o fim do semestre) tem tudo para ser muito mais emocionante, porque, modéstia à parte, meus colegas fizeram um ótimo trabalho. 

Em nome do blog quero dar os parabéns a todos que se esforçaram tanto neste projeto único. Citarei aqui: Juliana, Lais, Marcelo, Victor, Wesley e Yasmin. Não porque o trabalho deles tenha sido melhor que o seu (ou melhor, que o nosso). Mas sim porque eles, que foram os que ficaram até tão tarde na Facom, foram escolhidos para representar todos vocês – que tiveram, talvez, tanto trabalho quanto –, já que nunca dá para dizer o nome de todo mundo.
Para você, leitor do blog, que porventura não tenha nada a ver com o boletim, posso  garantir  que o trabalho de todos valeu muito a pena. E, caso você queira conferir por si mesmo, é só clicar  aqui.
Divirtam-se. ;)

                                                                                                                          Por Thais Borges

Conversa de Quinta: Alunos de jornalismo da Facom falam sobre polêmica no twitter

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Essa é a mais nova seção do Blog Facom News. Todas as quintas-feiras bateremos um papo descontraído com alunos da Facom sobre diversos assuntos. 

    No último domingo (31), as redes sociais da internet viraram palco para as ofensas e incitações à violência. Após o resultado da votação favorável à candidata do PT, Dilma Roussef, a aluna de direito, Mayara Petruso, postou inúmeros insultos destinados aos nordestinos, por ter sido um eleitorado forte e favorável a eleição da candidata do treze.
     Tudo começou com a frase: “Nordestino não é gente. Faça um favor a SP: mate um nordestino afogado”. Em seguida outros usuários do twitter e facebook, redes sociais da internet, começaram uma discriminação em massa. Enquanto, do outro lado, os ofendidos se defendiam. E tudo isso em 140 caracteres!

Crédito: Blog Vooz.com.br/Blog do Jex
    A nossa Conversa de Quinta, dessa quinta, convida os alunos da Universidade Federal da Bahia, do curso de jornalismo e nordestinos, Diego Barreto e Marina Baruch, ambos usuários dessas redes sociais da internet, para baterem um papo e nos contar sobre o que acham dessa polêmica que estampou as capas de jornais.

Blog Facom News: E agora? Será certo “xingar muito no twitter”?

Editoras do Blog Facom News e os convidados Marina e Diego
Marina Baruch: (Uma breve pausa) Pode pensar um pouquinho? (Risos). Eu acho que só é certo “xingar muito no twitter”, quando você não ofende outras pessoas. É válido quando você deseja fazer uma reclamação sobre um serviço, como por exemplo, de restaurante ou passagens aéreas que não te agradou. O que não é aceitável é difamar a imagem de outras pessoas nessa rede social.  
 Diego Barreto: Algumas pessoas têm o twitter para uso pessoal, já outras utilizam a ferramenta para expor idéias sobre variados assuntos. Mas no caso da Mayara foi uma tremenda besteira. Ela não “xingou muito no twitter” para desabafar, pelo contrário, surtiu como uma ofensa.
  
Blog Facom News: Vocês poderiam nos contar se fizeram parte dessa grande maioria e também votaram em Dilma?
 
Marina Baruch: Votei em Dilma.
Diego Barreto: Eu sabia que Dilma iria ser eleita, mas não quis fazer parte da grande maioria. Votei nulo. Mas entre José Serra e Dilma, fico com ela.

BFN: A repercussão se deu por conta da votação favorável à candidata Dilma Roussef, no nordeste. Caso, José Serra fosse eleito presidente, os nordestinos deveriam se revoltar e proibir os paulistas no carnaval de Salvador?

MB: Antes eu achava que não, mas agora eu até acho que seja uma boa opção. (Risos)
DB: Não, não. Eu Acredito que nem todos os paulistas tenham essa postura discriminatória.
MB: Ok, falando sério, eu acho que não deveria. Afinal, nós somos pessoas superiores, não nos importamos se ela é desse jeito. Cada um dá o que tem. Se for isso que a Mayara tem para dar, é uma pena. Nós temos mais para oferecer. Na verdade, deveria vender o abadá e colocar uma plaquinha pendurado no pescoço de todos eles: “Sou Paulista, estou na Bahia”. (Risos) 

BFN: Como diz aquele ditado popular “quem fala o que quer, ouve o que não quer”. A estudante de direito Mayara Petruso, disse o que pensava no twitter, sem medir os efeitos que poderiam causar. Se vocês tivessem a oportunidade de colocar a boca no trombone e falar algo para a ela, o que seria?

DB: A pergunta que todos nossos conterrâneos fazem: se somos burros em colocar Dilma Roussef no poder, então escolher Tiririca como deputado quer dizer o quê?

BFN: Sejam sinceros: vocês fariam comentários como os da Mayara Petruso (para os sulistas, no caso)? Se já fizeram, por favor, NÃO NOS CONTEM! 

MB: Olha, se eu conhecer alguém que seja do sul/sudeste e que seja ruim, ao ponto de eu achar que realmente deve morrer afogado, não significa que todas as pessoas dessas regiões precisam morrer da mesma forma, não é? 

BFN: As reações a comentários racistas como os da Mayara Petruso e seu séquito no Twitter são diferenciadas: existem aqueles que não dão a mínima, tanto quanto existem aqueles exaltados, que quando vêem coisas assim, também se dispõem a lançar uma bomba nos paulistas. Eu não dou a mínima, mas não porque "quem cala consente”, ou qualquer coisa do tipo, pelo contrário, mas porque não dou a mínima mesmo. Alguém tem que puni-la, mas esse alguém não sou eu. E quanto a vocês?
 
MB: Com certeza ela deve ser punida, mas não cabe a nós, cidadãos, fazermos isso. É papel da justiça e não nosso. Mas acho válido darmos nossa opinião em dizer que ela está errada. Ela excluir esses comentários infames não significa arrependimento, mas vergonha. Na posição dela, qualquer deveria sentir, no mínimo, vergonha.

E nossa conversa fica por aqui. Até a próxima quinta!